Uma Singela Homenagem

Por Bruno Resende Ramos

O mergulho de Peter Mc. Miller Johnson seria inesquecível; aliás, ele não só seria conhecido como o atleta que mais tempo ficou submerso numa prova de triatlon como também sendo o primeiro que não voltou e nem deixou vestígios. A descida ao mais profundo abismo do pacífico o reteria para sempre no fundo do oceano. Assustador! Fantástico! Inexplicável! Tudo bem, o leitor pode não acreditar, mas o nosso personagem e protagonista está no mundo sobrenatural e lá viu o que todos nós temíamos: a morte.
Aonde nasce toda a vida?
De onde originaram todas as coisas?
Fácil resposta - conclui Tomas M. Coban Oneill, um pesquisador náutico da costa oeste.
Sim, lá, nas profundezas dos mares surgiu toda as formas de vida existentes. Refutem o quanto queiram, mas, de fato, a vida surgiu das águas. Você, amigo, surgiu neste plasma biológico.
Assim, Peter, acidentalmente, viu o que estava oculto. Nas formas intramembranosas da águas férteis deste mar, num misto de água salina e gosma proteica, antes do total naufrágio, suas pupilas enxergaram um misto de sombra, frio e pungência com olhos de peixe...
No "habitat" onde formavam-se todas as espécies que se movem sobre a terra também nadava de olhos abertos atrás de formas incautas nossa maior antagonista. Ela que forma tsunamis inexplicáveis em busca do seu alimento nas costas de todo o mundo; sim, a mais aterradora personagem que nos confronta rápida e vorazmente no dia-a-dia das grandes metrópolis, uma sutil, as vezes microscópica forma que sobe dos bueiros, esconde-se nas formas triviais, virais, retrovirais do inimaginável microcosmo planetário e que a qualquer pretexto surge instantaneamente nas zonas de grande tráfego rodoviário, aeroviário; enfim, quem nos revezes climáticos, nos terremotos, maremotos esconde rítmica e sonora sua dança traiçoeira e o desejo de acomodar em nossa carne úmida os seus tentáculos e presas.
Não será outra que nos abre portas, fecha as cortinas às mínimas composições existenciais? Quem senão ela visita-nos à porta e pede entrada por um gesto simples e suave toque letal?Sim, é ela que nos convence da conveniência de experimentar a isca para enveredarmos nas sendas dos vícios. É ela sim que se oferece a abrigar-nos ao peito quando a tristeza se faz sinônimo de total declínio? É a que se enamora dos que se arriscam a qualquer preço para alcançar metas inatingíveis? Senão não fosse ela quem seria a que espera mais um Peter arriscar mergulhos além de suas forças e psicomotricidade? Quem senão a morte abre seus olhos somente quando alguém os fecha?
Essa, amigos, tem uma forma humana, uma decrépita, insinuante e bela silhueta. Ela, desde a gênese, uma forma embrionária que espera-nos crescer. Imita-nos a existência, surge conosco bem frente ao espelho, invejou-nos a vida e se compraz em tomá-la mesmo que não seja para si. É quem sempre nos espera, talvez ali, na próxima esquina. Aquela que desde a infância cultivou-nos como plantas para a infalível ceifa, sua mordaz colheita. Se nos quer na maturidade, e nos apressamos, mais dolorosa e tangível, mais tenaz sua mordida, mais fugaz nossa esperança. Como rebentos viçosos, sorvidos a seu apetitoso e obsequioso degustar, de que adianta implorar ou tentar voltar atrás?... Ela tem fome.
Não vá nadar! Ela manda nas águas do mar... É seu território.
Assim foi Peter e irão outros mais ao tempero dos anabolizantes, das anfetaminas, das drogas e do esforço em se superar.
Acolhidos por ela, forma tão efêmera, os que eram do barro voltam ao barro.
Aqui fica minha homenagem. A Peter? Não. A quem realmente vence quando a prova chega ao fim; a Morte...

Copyright © 2008 Bruno Resende Ramos - All rights reserved


******

Belo texto em que mais uma vez o escritor Bruno Resende Ramos nos presenteia com uma sensibilidade fantástica. Fez-me lembrar de um texto a muito esquecido: “ Da morte não sei o dia... mas posso saber.” Do barro ao barro...
Fênix Basthos

2 comentários:

  1. Grato pela preferência textual, querida.
    Como Fênix fez ressurgir meu texto há muito publicado.

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  2. Oi Fênix, descobri um relevante problema para nossas postagens. Os robos que ativam as buscas tanto no Google como no Yahoo, impedem o acesso a textos duplicados para evitar a prática do Spam. Assim, quando publicamos vários textos similares, mesmo em portais diferentes, o Google não o revela nos seus resultados assim como outras ferramentas de busca. Então, ao duplicar meus textos, eles passam a não serem exibidos mais na rede, entendeu.

    Aguardo seu retorno, ok?

    Um pena não é mesmo?

    ResponderExcluir